Um dia como "steward": novos hábitos nos estádios atarefam orientadores

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

De acordo com o Estatuto do Torcedor (artigo 14, inciso terceiro, datado de 2003), é obrigatório clubes mandantes disponibilizarem funcionários para orientar torcedores nas arquibancadas. Com o passar dos anos, tornou-se comum terceirizar tal serviço. Em contato com o LANCE!, a Primicia, empresa responsável pelos orientadores de Arena Corinthians e Allianz Parque, dois dos mais novos estádios do País, aceitou “transformar” um repórter em “steward” por um dia.

Presente no jogo entre Corinthians e Atlético-MG, no último dia 18, em Itaquera, o orientador do L! lidou com situações habituais e um tanto quanto inusitadas para torcedores adeptos de arquibancadas.

 

Na onda do “Padrão Fifa” e do legado deixado pela Copa do Mundo, os clubes tentam mais do que nunca cumprir o Estatuto do Torcedor no que diz respeito aos lugares marcados. Nos setores de torcidas organizadas, todos se misturam; nos assentos mais caros, todos respeitam as marcações; nos locais de preços intermediários, ainda não há consenso. A principal função dos orientadores, atualmente, é apartar brigas entre torcedores que disputam um mesmo espaço nas arquibancadas.

 

Outro motivo de discussões nas novas arenas é a forma de torcer: os que ficam sentados durante o jogo reclamam daqueles que, em sua frente, permanecem em pé. Mais confusão para o orientador resolver...

 

A função de um “steward”, no entanto, vai muito além de um bedel responsável por separar brigões.

 

– O orientador está aqui para direcionar o torcedor, tratá-lo como colega, fazê-lo se sentir em casa. O torcedor não pode se sentir perdido dentro de casa, não é mesmo? Fazemos um atendimento ao cliente, ao torcedor – explicou Michelle Nikuma, gerente de operações da Primicia.

 

Orientador posicionado no estacionamento pouco antes da abertura dos portões (Foto: Lucas Faraldo) 

Informar, ser gentil e às vezes até mesmo dar broncas em torcedores. Essas são só algumas das obrigações daqueles “laranjinhas” escondidos em meio a multidões alvinegras, alviverdes e de tantas outras cores.

 

CAUSOS PRESENCIADOS PELO ORIENTADOR DO LANCE!

 

A cobra vai fumar 

Torcedor no setor sul acendeu um cigarro e o orientador solicitou que a peça fosse apagada. Outro torcedor, no estacionamento (a céu aberto) do estádio, também fumava e mostrou-se surpreso ao saber que não poderia usar seu cigarro mesmo do lado de fora da arena. Regras são regras...

 

Preso na coleira 

Torcedores localizados no setor leste inferior provocavam exageradamente atleticanos que estavam no setor sul. Um dos corintianos se pendurou no apoio de vidro e por pouco não caiu de cara no gramado. O orientador foi até o local fazer as vias de segurança e pedir calma ao torcedor. 

 

Nada de farofa 

O Corinthians proibiu torcedores de entrarem no estacionamento da Arena e venderem produtos (como lanches, cervejas, refrigerantes...) em seus veículos por conta da concessão com empresas de alimentação. A regra não vinha sendo cumprida e o clube decidiu proibir até mesmo o consumo de produtos. O orientador teve de solicitar a saída de vendedores e "farofeiros" da área exterior do estádio.

 

Sem violência 

O orientador apartou uma discussão entre dois torcedores no setor oeste inferior: durante o aquecimento dos jogadores, um xingou Elias, outro o defendeu, e no fim a dupla quase saiu no tapa. A maior parte das confusões, porém, diz respeito à marcação de lugares: há torcedores que sentam nos assentos marcados em seus bilhetes, e há outros que ignoram a marcação. Duas pessoas para um banco é briga na certa.

 

Troca de bilhetes 

O orientador se viu diante de uma inusitada situação: dois torcedores no setor leste inferior tinham bilhetes aparantemente idênticos e, portanto, referentes ao mesmo assento. Uma análise minuciosa identificou o problema: um corintiano tinha o bilhete do jogo contra o Atlético-MG; o outro, do Atlético-PR.

 

Vai uma carona? 

Um torcedor com perna engessada sofria para se locomover e chegar a seu assento, então o orientador o carregou nos ombros e o ajudou a chegar ao local desejado. Outro corintiano, de cadeira de rodas, estava no lado leste, mas seu ingresso era para o lado oeste: a missão do orientador foi dar a volta na arena junto com o torcedor, o ajudando para não perder o início do jogo.

 

Olha o passarinho 

Os paus de selfie estão banidos dos estádios por motivos de segurança, então cabe aos orientadores ajudarem os torcedores a registrarem a visita ao estádio. O orientador viu torcedores se esforçando para tirarem selfies e então perguntou aos corintianos se gostariam de uma ajudinha. Diga "xis"!

 

Cara, crachá. Cara, crachá 

Para sentar em um assento, o torcedor (em tese) precisa do ingresso referente àquele assento. Alguns "espertinhos", porém, tentam usar credenciais de empresas prestadoras de serviços à arena para assistirem ao jogo nos mais diferentes setores. O orientador flagrou casos no leste inferior e oeste superior e pediu aos "credenciados" para se retirarem.

 

ROTINA DE UM ORIENTADOR EM ITAQUERA

 

Credenciamento 

Quase todos freelancers, os orientadores se credenciam seis horas antes do jogo, no local que vira bilheteria da torcida visitante horas depois.

 

Lanche e colete 

Dentro da Arena, passam por uma nova triagem, vão até um balcão, entregam seus pertences e recebem um colete laranja e um lanche.

 

Palestra 

Nas arquibancadas da Arena, os orientadores assistem a uma palestra para serem orientados sobre suas funções. Quem dá a aula é um supervisor.

 

Jogo 

Desde a abertura dos portões do estádio ao término do jogo, orientadores ajudam o público das mais diversas maneiras.

 

Pós-jogo 

Em 12 minutos, os orientadores esvaziam a Arena. Na sequência, buscam pertences perdidos e tiram panos e enfeites dos setores.

 

Pagamento 

Orientadores formam fila num balcão, retiram seus pertences, devolvem o colete, recebem o pagamento combinado e saem da Arena.

 

VETO DO PALMEIRAS

 

A reportagem do LANCE! também tentou fazer a reportagem no Allianz Parque. No dia 8 de julho, o L! tentou acompanhar a partida entre Palmeiras e Avaí na função de orientador, mas não obteve acesso ao estádio por não ter solicitado autorização prévia ao clube. Após nova tentativa, desta vez para o dia 19 (Palmeiras x Santos), o clube alviverde vetou.

 

EFETIVO DE ORIENTADORES

 

Apesar de as capacidades de público de Arena Corinthians e Allianz Parque serem parecidas, a quantidade de funcionários trabalhando durante as partidas é bastante distinta.

 

Em situação financeira não muito confortável, o Corinthians reduziu o quadro de orientadores para jogos em Itaquera. Devido a um corte de gastos feito no início desta temporada, a Arena Corinthians conta atualmente com cerca de 130 orientadores por partida. No Allianz Parque, o número é quase quatro vezes maior: são aproximadamente 470 funcionários da Primicia por jogo.

 

Vale destacar: na partida em que a reportagem acompanhou os trabalhos dos orientadores em Itaquera, não houve sinais de escassez de efetivo. Pelo contrário: a quantidade de funcionários mostrou-se suficiente frente às necessidades do evento. O jogo em questão (Corinthians 1 x 0 Atlético-MG) recebeu o maior público do estádio alvinegro na atual edição do Brasileiro (36.280 pagantes).

 

A quantidade exata de orientadores solicitada para cada partida varia de acordo com alguns fatores, tais como horário do jogo, adversário e estimativa de público presente.

São Paulo / SP
Brasil