Tiros, correria e bomba: arena do Palmeiras recebe treinamento antiterrorismo

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Por conta do grande número de partidas e shows musicais no local, Grupo de Ações Táticas Especiais da PM realiza simulação nesta segunda-feira

Acostumada a receber jogos e show durante a semana, a arena do Palmeiras foi palco de uma ação diferente nesta segunda-feira. O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) realizou no local um treinamento antiterrorismo.

Quem passava do lado de fora do estádio podia estranhar o barulho de tiros e de uma bomba sendo estourada dentro do local. Mas tudo era controlado pelas equipes do Gate, a divisão da Polícia Militar especializado nesse tipo de operação.

Com uma agenda cheia de shows e eventos, o Allianz Parque, que recebe milhares de pessoas, colaborou com a equipe para que esse treinamento ocorresse dentro da arena. Essa simulação já aconteceu no estádio do Corinthians, por exemplo, por conta da Copa do Mundo de 2014.

– O show da Ariana Grande (em Manchester, na Inglatera) teve um histórico recente de atentado. É uma coisa que não podermos deixar para pensar muito para frente, para só depois fazer, temos de nos preparar – explicou o tenente Haddad, do Gate.

A primeira parte da atividade foi uma ação na arquibancada da arena. Nela, um terrorista realiza disparos contra o público, provocando terror e correria. Após os primeiros tiros serem disparados, a equipe do Gate entra e mata o atirador.

Após isso, foram realizadas outras duas simulações na parte interna do estádio, nos corredores. Querendo tornar o mais real possível, as pessoas se agruparam, como em um show ou jogo lotado, e o terrorista começou a atirar. A equipe do Gate, em instantes, agiu para derrubar o atirador.

Por último, foi simulada o processo de detonação de uma bomba, desde a localização do artefato até a explosão.

Com um equipamento que pode chegar a pesar mais de 50 quilos, o policial pegou o simulacro, que estava em baixo de uma cadeira na arquibancada, e realizou a explosão de maneira segura. A bomba usada na simulação tinha apenas 8 gramas, o que já foi o suficiente para assustar o público.

O Grupo de Ações Táticas Especiais é, segundo o tenente Haddad, uma das divisões da polícia que mais atendeu ocorrências com refém no mundo. Em dia de grandes eventos, as equipes do Gate ficam de prontidão para qualquer chamado.

São Paulo / SP
Brasil